sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Um mês...

Um mês de ti Manuel. Um mês de descoberta, um mês de colo excessivo, um mês do teu cheirinho que é tão bom. Meu pequeno e barulhento trombone. Cresce depressa, preciso urgentemente de um sorriso teu.

sábado, 9 de Agosto de 2014

Como é possível uma criança chorar tanto?!
Mães de chorões acusem-se e confortem-me!
Mães de santos come e dorme: ide-vos f**er.

Assinado Tata, à beira de um colapso nervoso

segunda-feira, 4 de Agosto de 2014

Update

O Manuel mama de duas do duas horas. E acorda pelo meio.
O salpico está com febre.
A instituição para a qual trabalho morreu e agora chama-se novo banco.
Estou oficialmente apavorada.

quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Lembram-se do que penei com o meu primeiro filho para dormir? Que só queria colo e tinha cólicas e o camano?
Pois...

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Olá, o meu nome é tata e sou oficialmente mãe de dois filhos.


Dia 16, conforme agendado, lá fui eu para o hospital. De manhã, o meu adonis levou o meu salpiquinho de gente a escola. Quando vi o carro partir, partiu-se também o meu coração, naquele adeus despegado e seguro do meu filho mais velho. E eu, pançuda e nervosa, a saber que aquele seria o dia que mudaria a sua vida de filho único para sempre.
O parto correu bem, num curto espaço de tempo, que juntou lágrimas, tremores incontroláveis, e por fim aquele choro tão forte que assinalou a chegada do Manuel ao mundo. E eu, toda eu hormonas, num misto de medo, pânico, amor inigualável, chorei todas as lágrimas de uma vida quando o vi pela primeira vez.
Ser mulher é fodido. Não falo pelas dores físicas, mesmo eu que sou a maior paneleira desta terra. Falo do choque brutal a que somos expostas nisto de ser mãe. Falo do medo, do amor tão forte que dói. O meu salpico reagiu maravilhosamente à chegada do mano. O dia que nos foi ver, lá se catapultou novamente uma catarata imensa de emoção e amor, ao vê-lo sorrir nervoso para o Mano. 'O Mano já chegou!' Chegou sim salpico. E sei que será o melhor presente que te poderia ter dado na vida. Mas neste momento, oscilo balançante na alegria imensa, e na a dor sempre que me afastas um bocadinho, defendendo-te do meu inevitável afastamento que vem desde o final da gravidez.
Putas de hormonas.
Mas estou feliz. Vou agora ali chorar um bocadinho, acabei de ver uma mosca suicidar-se de encontro ao vidro da sala.

segunda-feira, 14 de Julho de 2014

A dia e meio de te ver

Count down à séria. Depois de amanhã por esta hora lá estarei eu toda grog com o Manuel nos braços. Estou nervosa como qualquer paneleira que tem medo de hospitais que se preze estaria, mas neste momento o mau estar físico suplanta, e de que maneira, o pavor. Dói-me toda e qualquer articulação deste mutilado corpinho, dói-me a bacia e os rins, tenho as mãos inchadas. Mais que tudo tenho a alma num nervosismo histérico de fêmea mãe, numa curiosidade carregada de beijos por dar ao que lá vem, e numa nostalgia profunda pelo que isso alterará a vida do que já cá está....
Ai tempo de um cabrao... Não sei se te quero urgente, se te quero lento...

sábado, 5 de Julho de 2014

Ponto de situação

Falta uma semana e 3 dias.
Fui finalmente pôr as patas na areia.
Engordei até agora 8 kg.
Estou num misto de medo e xitex.
Agora já não há nada a temer, já tenho data marcada mas se o Manuel nos quiser conheces mais cedo pode vir!
O meu salpico goza os últimos momentos como filho único e isso dá-me uma ligeira vontade de chorar.
Estou calma. E feliz. Numa espera que é agora doce...